Terça-feira
833945 visitantes

Bem-vind@ a WAKESEED »»» Trabalhamos para facilitar a sustentabilidade pessoal e a sustentabilidade coletiva »»» Agenda connosco workshops e cursos sobre sustentabilidade a todos os níveis: sustentabilidade pessoal (inteligência emocional, eneagrama, comunicação não violenta, mindfulness, etc.) | Equilíbrio e Saúde Vital: conhece o que é a terapia prânica | Permacultura: horticultura sustentável | Escolas: desenvolvimento sustentável | E muito mais!!!!
Mostrar Menu

Destaque - EDUCAR NA TRANSIÇÃO


EDUCAR NA TRANSIÇÃO

 A importância de falarmos sobre a morte


Qualquer assunto do qual não queremos falar torna-se um bicho papão e concretamente no caso da morte estamos a falar do assunto que provavelmente crie maior medo em qualquer ser humano. Porém sabemos que qualquer tipo de medo, quando é enfrentado, toma a sua verdadeira dimensão e podemos trabalhar com ele.


Porque temos medo da morte? Provavelmente a maior parte das pessoas responderá logo que por perder o contato com os seres queridos e pelo facto de não ter certezas absolutas em relação ao que nos vai acontecer depois, independentemente de termos ou não crenças religiosas ou espirituais.


Mas se calhar há outro medo maior. O medo de chegar ao final da nossa vida e ficarmos com a sensação de não ter sabido viver e de não ter usufruído da vida. Portanto falar em morte é falar em vida. E durante a vida curiosamente também vamos perdendo o contato com seres queridos de forma parcial ou total. Há muitas pessoas que foram muito importantes nas nossas vidas, que na altura pensámos e sentimos que eram “para sempre” (pares, amigos, familiares…), mas com as quais já não mantemos qualquer tipo de contato (“morreram” de facto para nós). Portanto já temos essa experiência de morte. E ao longo da vida estamos submetidos a tantas e tantas situações de incerteza; a vida demonstra-nos tantas e tantas vezes que não controlamos nada… E de facto todos nós já tivemos a experiência de ter ultrapassado muitas situações desconhecidas e que não controlávamos.


Estar em contato com naturalidade com a morte, como antigamente, é saber estar em contato com a vida. Estar a acarinhar alguém que está a partir, é estar a dar valor à vida até ao último segundo. Estar em contato com a morte é uma jóia que nos convida a usufruir e desfrutar ao máximo da vida. Nesse espelho, entendemos que a vida é um processo de aprender a largar, de aprender a perder, de aprender e a ser livres… E fundamentalmente é um processo de aprender a amar, independentemente dos destinatários, e de aprender a receber o desconhecido com espírito de aventura. Já se aperceberam que tomar decisões baseadas no medo simplesmente não funciona?


No próximo dia 27 de Setembro vamos desenvolver um workshop sobre este assunto em Lisboa. Mais informações aqui. Também organizamos palestras gratuitas de sensibilização sobre este assunto em diversos locais. 

Mário Madrigal

 

Voltar

2018 © Direitos Reservados Desenvolvido por: citricweb.pt