Quinta-feira
804149 visitantes

Bem-vind@ a WAKESEED »»» Trabalhamos para facilitar a sustentabilidade pessoal e a sustentabilidade coletiva »»» Agenda connosco workshops e cursos sobre sustentabilidade a todos os níveis: sustentabilidade pessoal (inteligência emocional, eneagrama, comunicação não violenta, mindfulness, etc.) | Equilíbrio e Saúde Vital: conhece o que é a terapia prânica | Permacultura: horticultura sustentável | Escolas: desenvolvimento sustentável | E muito mais!!!!
Mostrar Menu

Destaque - Projecto SEMEAR SONHOS WAKESEED


Projecto SEMEAR SONHOS WAKESEED

INTRODUÇÃO
Durante os meses de Maio e Junho de 2015 a Wakeseed realizou uma primeira viagem a Moçambique na qual, para além de auscultação de necessidades, foram realizadas diversas atividades de voluntariado e apoio a organizações amigas e parceiras como forma de aprofundar o nosso conhecimento do país, aprender através da experiência no terreno destas organizações, e auscultação de sinergias no futuro junto destes parceiros. Veja o nosso relatório de 2015 em Moçambique através do seguinte link: CLICA AQUI

O principal intuito como associação da nossa intervenção em Moçambique é promover a aprendizagem e difusão da autossuficiência em regime de cooperação, criando assim uma rede de comunidades de entreajuda. 
Nesse sentido, e depois analisarmos qual será o nosso papel, perante os objetivos e escassos recursos disponíveis, assumimos o compromisso do nosso projeto ser um impulsionador na criação de uma rede de entreajuda entre projetos, em vez de optar por desenvolver um projeto próprio no terreno.
Sendo assim, a Wakeseed decidiu apoiar diretamente 2 projetos locais moçambicanos, com elevado impacto no terreno, nos quais realizámos intervenções em 2015, e que poderão criar sinergias entre elas:
 
Escolinha Kutsaca (Bairro Mahungo – Bilene – Província de Gaza)
Plataforma Makobo – (Maputo)

Escolinha Kutsaca
Envolvente. Características e necessidades da comunidade do Bairro Mahungo 

⦁    População: cerca de 800 adultos e 1.100 crianças
⦁    Administrativamente: até 2014 este território não estava adscrito a nenhuma administração local oficial: a população organizava-se espontaneamente para a limpeza dos terrenos e das praias. Desde 2014 o território está abrangido pelos serviços do Município de Bilene.   
⦁    Principal problema manifestado: falta de água potável 
      -   Mais de 80% das habitações não têm água, nem instalações sanitárias, sendo um dos principais problemas de saúde e mortalidade.
      -   Existência de furos públicos não operativos.
⦁    Atividade económica:
      -   Elevado desemprego e empregos precários: ordenados médios entre 1500-2000 Meticais (37,5 a 50 euros mensais). 
      -   A maior parte do emprego é no sector primário (agricultura de subsistência e pesca). Outros empregos: pedreiros, guardas, pequeno comércio.
      -   Consequências do elevado desemprego: alcoolismo, alimentação pouco variada e equilibrada, alguma delinquência, condições de habitabilidade precárias, etc.
⦁    Atividade turística: (alguns restaurantes, hotéis e centro de campismo), mas com pouca repercussão no emprego local e inflacionadora dos preços de produtos de primeira necessidade para a população local. 
⦁    Terreno: solos arenosos com pouca variedade de culturas (arroz, banana, cana de açúcar, mandioca, ananas); dificuldade em arranjar sementes. Necessidade de formação em horticultura sustentável e bioconstrução. A maior parte das construções de habitação são de caniço.
⦁    Saúde: 
      -   Existência de um pequeno posto médico com 1 enfermeiro. Não há ambulância ao serviço da população. Previsão de construção de um novo posto médio num prazo de 2 anos.
      -   Só na Macia (a 40 kms) existe médico e pequeno hospital.
      -   A maior parte da população não tem capacidade para a aquisição de medicamentos básicos (muitos deles só disponíveis em farmácias privadas).
      -   Principais doenças na população local: sida, malária, tuberculose e cólera. 
      -   Alimentação básica muito deficiente.
      -   Esperança média de vida no distrito Bilene-Macia: 42 anos (INE 2007). Este distrito tem a maior taxa de mortalidade da província de Gaza, quer geral, quer infantil e juvenil (quase 20% da população infantojuvenil)
⦁    Educação:
      -   Existência na zona e redondezas de 4 escolas primárias e 1 escola secundária privada à qual não pode aceder a maior parte da população. Pré-primária: Escolinha Kutsaca. 
      -   Escola secundária pública na Macia: o preço do transporte de “chapa” até a Macia (60 meticais diários, 1,5€) e o pagamento de propinas escolares no secundário (cerca de €50 anuais), faz que a maior parte dos jovens locais desistam de estudar a partir do 7º ano. 
 
Desafios 2016-2017: 
      -   Apoio na construção da nova Escolinha Kutsaca, nos terrenos cedidos pelas autoridades locais, e acesso a água potável (construção de um furo).´
      -   Apoiar na criação de um modelo de autosustentabilidade para a Escolinha Kutsaca, através da promoção de sinergias entre a comunidade, entidades públicas e privadas locais.
      -   Capacitação em agroecologia com o objetivo de promover a autossuficiência da escola a nível alimentar, e contribuir para a dinamização da economia local.


Plataforma Makobo

A PLATAFORMA MAKOBO, está estabelecida como estratégia de construção de uma alternativa de serviço social básico, para a inserção, formação (pessoal e profissional) de indivíduos em situação de pobreza extrema, num contexto de exclusão social. Promovendo, simultaneamente, ações de sensibilização para o drama da malnutrição e desnutrição crónica de grande parte da população moçambicana, e de mobilização de apoios para o acesso e melhoria da qualidade de educação e saúde em Moçambique.
 
O seu projecto, A SOPA SOLIDÁRIA é, nesse contexto, um espaço de identificação e de integração de indivíduos menos favorecidos em atividades programáticas, visando promover habilidades para que estes sejam capazes de contribuir de forma sustentada e sustentável, para a satisfação das suas necessidades básicas, e para que possam contribuir, ativamente, para o desenvolvimento económico e social do país.
Oferece, diariamente cerca de 400 Sopas. Beneficiando, semanalmente, cerca de 1500 pessoas, principalmente idosos e crianças. Garantindo que estes tenham, pelo menos, uma refeição condigna por dia.
A SOPA SOLIDÁRIA percorre há mais de um ano as ruas da Cidade de Maputo. TODOS OS DIAS, procurando formas de aliviar a pobreza e promover a inserção social de crianças, jovens e adolescentes em situação de exclusão social.
A SOPA SOLIDÁRIA não é por isso, um programa de distribuição gratuita de alimentos, é uma forma de mobilização para uma mudança efetiva do paradigma da pobreza e da mendicidade em Moçambique. 
 
Desafios para 2016-2017:
      -   Autossuficiência aquisição de alimentos, que passa pela produção, processamento, agregação de valor e comercialização de alimentos.
      -   Reativação e estabelecimento de cantinas escolares publicas de bairros periféricos, mais degradados, da cidade de Maputo. Objetivo: atender, diariamente, 2000 crianças dos 6 aos 14 anos de idade, da 1 a 7 classes, oferecendo o pequeno-almoço, almoço e lanche, como forma de contribuir para a redução da malnutrição e desnutrição crônicas, e reduzir as taxas de insucesso e abandono escolares, fruto, muitas vezes, da falta de alimentação e incapacidade dos pais de proporcionarem uma alimentação equilibrada para estas crianças.
 
Em 2015, em associação com a iniciativa ESCOLINHA SOLIDÁRIA, A SOPA SOLIDÁRIA beneficiou 120 Crianças do Bairro dos Pescadores - Costa do Sol, em Maputo. Uma iniciativa piloto que promoveu literacia e apoio nutricional de crianças que frequentam a escola primária pública, comprovando a pertinência e urgência da aposta nestas duas iniciativas para a melhoria da qualidade da educação e nutrição de crianças, principalmente de raparigas. 
 
Para a Plataforma Makobo é imperativo sensibilizar e disseminar campanhas que promovam a autossuficiência de produção de alimentos em Moçambique.
 
O País dispõe  de um imenso potencial agrícola para a produção alimentar. Através de várias parcerias A SOPA SOLIDARIA dispõe neste momento de cerca de 11 Hectares de terra para produção de alimentos e procura parceiros (Wakeseed) dispostos a avançar em mais este desafio. 
 
O projeto é para produção de hortícolas, leguminosas e suplementos nutricionais. A intenção é que seja um projeto autônomo, autossuficiente e sustentável. Que tenha por base a participação das populações locais, com terra ou sem terra para "out-sourcing" e, inclusão de "crianças de rua".  Tem que prever, também, um espaço de investigação, disseminação de boas práticas, melhoramento e comercialização  de sementes.



O papel da Wakeseed nestes dois projetos
Na nossa viagem de 2015 tivemos a oportunidade de detetar as seguintes necessidades comuns aos dois projetos, nas quais pretendemos intervir no terreno:
Necessidade de capacitação em agroecologia e desenvolvimento de projetos no terreno. O núcleo de Agroecologia da Wakeseed possui uma elevada experiência nacional e internacional neste sentido. A Wakeseed é a criadora do projeto “Círculo de Sementes” em Portugal, principal plataforma nacional na defesa das sementes autóctones. 
 
Necessidade de formação de formadores em áreas de desenvolvimento pessoal, como por exemplo, educação em valores, especialmente como trabalho preventivo em crianças e jovens. Nesta área, o Núcleo de Desenvolvimento Humano está pronto para contribuir com formações específicas no terreno, uma vez conhecidos os intervenientes diretos na auscultação realizada em 2015.
 
Necessidade de contar com voluntários na área sanitária e na formação em primeiros socorros, nutrição e saúde. O Núcleo de Equilíbrio e Saúde Vital da Wakeseed pretende dinamizar neste período o envio ao terreno de pessoal sanitário em regime de voluntariado. 

Necessidade de dinamização de parcerias e apoios para a contruçãoimplementação de infraestruturas e meios que promovam a autosustentabilidade e condições básicas para o bom funcionamento destes projetos.



Queres Apoiar-nos?

Qualquer assunto para apoiar o projeto Semear Sonhos Moçambique, pedimos que entrem em contato através do e-mail: carlos.poco@wakeseed.org e no assunto do e-mail coloquem, se fizerem o favor, Moçambique

Se pretenderem apoiar-nos com donativos e se quiserem especificar qual o projeto a apoiar (Escolinha Kutsaca ou Plataforma Makobo), mencionem no descritivo da transferência ou enviem-nos uma mensagem para o e-mail supra citado fazendo referência a essa preferência e faremos chegar um recibo de cada donativo recebido. O IBAN para transferências é: PT50003600529910032519178 (Wakeseed Associação).
 

PARCEIROS

Clica nos ícones para os conheceres melhor
                  
 

 

Voltar

2018 © Direitos Reservados Desenvolvido por: citricweb.pt